Sal de qualidade para alimentação saudável

Empreendedor de natureza, Carlos formou-se em Teologia Pastoral pela Universidade Xaveriana de Bogotá – Colômbia, seu país de origem. Mais tarde, mudou-se para Moçambique para uma missão empreendedora e ingressou na Salina de Batanhe que atravessava momento de crise, em 2011. Carlos  encontrou a empresa a operar com um pouco investimento e muito trabalho, e desenhou estratégias para a sua solvência da crise.

A salina hoje tem um bom desempenho económico , e tem uma equipe de  84 funcionários, distribuídos em contratos fixos, determinados e sazonais. Todos colaboradores são residentes da localidade de Nova Mambone – Inhambane. Disponibiliza 4.500 toneladas de sal iodado fortificado por ano no mercado, e o seu produto está posicionado entre as melhores marcas de sal nacional.

As operações da salinha resolvem a falta de emprego na zona, e a carência de sal iodado no mercado que constituía alto risco de contração de bócio, raquitismo e baixo desenvolvimento de quociente de inteligência.

Com a sua alegria e entusiasmo, Carlos promove um bom ambiente de trabalho  para os colaboradores.

No período de solvência da Salina da crise, Carlos quiz desistir do empreendimento porque primeiramente, o negócio não estava relacionado com a sua formação,  não tinha experiência em negócios nem gestão, e não falava a língua local. Manteve-se firme porque compreendeu que os objectivos iniciais a quando da abertura da Salina ainda são válidos até hoje. A confiança dos seus colegas e sobretudo o facto de ter pessoas que estavam dispostas a  ensinar-lhe e aceitar- lhe como “chefe” mesmo a sabendo que eu não conhecia o negócio incentivaram-lhe a não desistir.

A sua maior vitória é ter vindo de um grupo de trabalhadores engajados no projecto e que se orgulham do que hoje são, e dos resultados que obtivemos. Manter a Salina num bom nível de qualidade e de produção. E ter sido vencedor Agro Empreendedor do Ano 2018 no Future Agro Challenge. (FOTO)

O momento mais difícil da sua carreira como empreendedor foi entrar numa área de negócios totalmente desconhecida. Com isto toda a parte da legalidade: contratos de trabalho, contas, qualidade da produção, gestão de pessoal, de clientes que estavam sob a sua responsabilidade.

O seu maior aprendizado foi ser verdadeiramente testado da sua capacidade de liderança, de confiar nos outros, saber distribuir tarefas e acompanhar as pessoas, e os processos. Ainda estou apreender!

Carlos afirma que neste caminho aprendeu a ter paciência,  a ganhar fortaleza. ˝É bom conhecer espaços e pessoas que lutam ao meu lado, em diversos projectos. Estou optimista da vida e das pessoas. Com muitos empreendedores vamos dignificar muita gente˝.

O empreendedor aconselha a quem queira ser agroempreendedor que  o faça com paixão, com gosto, sem medo do risco, do sacrifício; empreender dá sentido de autonomia, de liberdade, é  a grande possibilidade ser parte activa na sociedade.

Carlos descreve que participar da competição Future Agro Challenge foi espectacular, conheceu e interagiu com pessoas criativas e empenhadas em construir um Mundo melhor, e que o trabalho dignifica.

Após participar da competição Future Agro Challenge, Carlos pretende continuar a investir na formação da sua equipe e qualificação dos seus produtos. Melhorar e ampliar o espaço de produção da Salina.

E Conhecer Grécia!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: